Home / Entretenimento / TV & Novelas / Série ‘Lúcifer’ comprova apelo pop do bad boy na ficção

Série ‘Lúcifer’ comprova apelo pop do bad boy na ficção

Do alto de uma suntuosa cobertura com vista para Los Angeles, um galã, de lencinho no paletó e barba milimetricamente feita, rearranja a posição de uma rosa vermelha na mesa de jantar.

Ele sorri com seus dentes branquíssimos quando vê o resultado e pulsa em ansiedade ao ouvir a amada, a quem chama carinhosamente de “detetive”, sair do elevador, já tecendo elogios ao vê-la deslumbrante em roupas casuais – estas, em muito diferentes do caro vestido vermelho que ele lhe havia comprado para aquele encontro.

“Sem toalha branca dessa vez?”, ela pergunta, ao que ele responde: “Não, da última vez foi como se um casamento judeu tivesse tido costeletas de porco para o jantar. Então eu fiz algumas alterações.” A cena poderia ter sido roubada de qualquer romance bem-humorado no qual um ricaço mulherengo é fisgado por uma moça comum. Aqui, no entanto, o galã é o diabo em pessoa, protagonista da série Lúcifer.

Romance e sarcasmo não são suas únicas qualidades: aliás, à exceção das asas e do alter ego assustadoramente vermelho, o diabo da série de sucesso da Netflix é encantador. Bonito, rico, de sotaque britânico (ao que parece, o Inferno da série presta reverência à rainha), charmoso e terminantemente honesto, Lúcifer Morningstar (Tom Ellis) não esconde quem é. Na verdade, faz questão de se apresentar como diabo para todos que conhece. De dia, resolve homicídios com a detetive Chloe Decker (Laura German), por quem nutre sentimentos românticos, e, de noite, quando não está tentando conquistar a arredia loirinha, comanda um badalado bar chamado “Lux”, onde entoa canções em seu piano. Para coroar, o chefão do Inferno ainda faz terapia.

Ainda que seja risível se deparar com as grandes questões psicológicas d’O Cara Lá De Baixo em um sofá-divã, a construção do personagem, um típico bad boy que arranca suspiros, é parte de uma antiga tradição de sucesso da ficção, de onde Lúcifer não só bebe, como faz uma atualização. Não à toa, a série, que recentemente lançou sua quinta e última temporada, lhe rendeu um sólido posto na liderança do Top 10 da Netflix.

Reinando no legado deixado por James Dean, o Jim Stark de Juventude Transviada (1955), e Marlon Brando, de Uma Rua Chamada Pecado (1951), Lúcifer conserva algumas das características cunhadas pelos bad boys das antigas: tem a língua afiada, é desvairado, mulherengo, pouco pensava em compromisso até conhecer a pessoa certa.

Mas, mais do que isso, faz parte de uma nova safra de personagens que se esforça para colocar o homem mau, pero no mucho, em sintonia com os novos tempos. São estes os que desceram das motocicletas descoladas e roupas de couro para darem passos em direção ao que é cada vez mais fictício. Bilionários sádicos, como Christian Grey de Cinquenta Tons; vampiros, caso de Edward de Crepúsculo; e até alguns que nem deveriam causar suspiros, como o psicopata Joe, da série Você; entram na lista de pares românticos recentes da ficção que atraem o público, justamente por terem traços tão mirabolantes que só são encantadores por causa das lentes da ficção.

O mesmo vale para Lúcifer, o epítome da maldade: um rapaz bonito, de corpo esculpido e britânico no senso de humor e no sotaque, é muito mais palatável do que a típica e assustadora criatura vermelha, que curte um enxofre e tem chifres pontiagudos.

A quem a narrativa bíblica escapa, vale explicar que Lúcifer é um anjo criado por Deus, banido dos Céus para comandar o Inferno. Na série, inspirada nos quadrinhos de Neil Gaiman, ele se entediou com a vida infernal milenar e fez uma mudança irônica para Los Angeles – a Cidade dos Anjos –, onde conheceu Chloe Decker e entrou para o mundo dos justiceiros. Completamente caído pela moça, se esforça para provar que é mais que seu lado diabólico e que merece uma chance no amor. Romantizar o que é desagradável faz parte do pacote do bad boy.

Lúcifer, Christian Grey e Edward Cullen, entre outros queridos bad boys recentes da ficção, caminham do lado legal da linha que separa crime de desvio de caráter – ao contrário do assassino da série Você, e do sequestrador e abusador Massimo Torricelli, do longa 365 DNI. Apesar de ser o diabo em pessoa, Lúcifer, carinhosamente apelidado de Lúci, segue uma bússola moral, que é ainda mais atraente quando a máscara de vilania cai para revelar um rostinho bonito, e disposto a mudar, por trás. Está aí a mágica da ficção.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Scroll To Top